*Cigarro arco-íris, entre a vaidade e a saúde.

60* Cigarro arco-íris, entre a vaidade e a saúde.

É de todos sabidos que o cigarro é um produto altamente prejudicial a saúde, a OMS tem usado das suas competências para introduzir medidas legislativas e que permitem uma serie de publicidades horripilantes para dissuadir os consumidores e pretendentes de continuarem a fumar. Mas um vício, não é algo que se elimina com meras advertências, e apesar das restrições impostas aos fumadores em determinados lugares públicos quando misturados com não fumantes, tal o caso das viagens aéreas, que passou a ser uma realidade a proibição de fumar no interior do aparelho. As consequências do cigarro, dentre mil razões para não fumar, destacamos o cancro, doenças cardiovasculares e respiratórias, sendo que estas em muitos casos se traduzem em óbito. Ainda assim, algumas estatísticas dos fumadores, revelam certa teimosia ou determinação, apesar de toda advertência do mal que o cigarro tem causado as pessoas, incluído a disfunção do músculo do homem, que silenciosamente vai deixando de responder aos apetites do homem, e não há nada mais constrangedor, que um apagão na hora do encaixe entre o côncavo e o convexo, porque sem o músculo firme não há encaixe. E dizer que, em cada quatro homens, um fuma, e em cada vinte mulheres, uma fuma. A saber que a poderosa indústria do cigarro por ser bastante rentável, seus investidores jamais cederão a um negócio milionário, mesmo se em causa estarão muitas vidas humanas. A última invenção injectada no mercado mundial é o novo cigarro a quem denominaram de arco-íris, pela diversidade de cores que a fumo deste cigarro emite. E como sempre, os seguidores desnorteados e sempre alheios as consequências do efeito do fumo nos pulmões, por uma ilusão de fumo colorido, certamente que engrossarão o número de fumadores e que se dane a saúde!

Crónica de: Jonas Nazareth