A nova ordem mundial e seu descrédito.

52* A nova ordem mundial e seu descrédito.

Após a tomada de consciência do homem pelas suas capacidades psicomotoras, a dialéctica da guerra, foi efectivamente, o passo seguinte. E nisto, a supremacia dos mais fortes sobre os mais fracos, num puro exercício de subordinação e proveitos das mãos de obra escrava. Impérios e dinastias assim o fizeram, actualmente, os contextos e critérios, acabaram por ser alterados, e da caducidade dos impérios e dinastias, nasceram os estados. Mas ambiguidade do animal-homem, assim o incitou em acarretar dois ossos, numa pura demonstração de inteligência, nada comparada com a do animal-cão. Afinal, um cão é sempre um cão, e basta-lhe a obediência para com seu dono. Mas entre animais racionais, o coeficiente de inteligência são sobremaneira equiparáveis, dependendo da vontade e empenho de cada um, para que os níveis atinjam o mesmo limite, em relação ao animal-homem. E eis que, o exercício de supremacia, não é, nem nunca será, comodatária para quem a exerce. Tal os casos anteriores, como a Grécia antiga, o império Romano, a dinastia faraónica, que tiveram um fim. Os americanos (USA) também por ai, haverão de passar, para a passagem de testemunho, (ainda que, o exercício venha a ser musculado). No caso, e ainda que não for a Coreia do norte, apesar de seriamente engajada em ensaios nucleares, mas este finca-pé aos americanos, poderá obviamente, despertar outros rebeldes, dispostos em depor a supremacia dos americanos. E não será o caso da velha Europa, com a pretensão deste exercício de supremacia.

Crónica de; Jonas Nazareth