28ª Cimeira da União Africana.

28ª Cimeira da União Africana.

Há muito que a união africana sempre teve uma postura meramente simbólica, e por esta, o PR Ruandês Paul Kagame achou necessária uma profunda reestruturação da organização para suprimir postos julgados descartáveis. Até porque dinheiro, sempre foi o grande problema do nosso continente, e assim evitarmos o humilhante gesto pedinte aos terceiros de outros enquadramentos continental, porque cá entre nós, alguns países membros da organização furtam-se em pagar as devidas quotas?! A consequência é o acto de mendicidade, desrespeito e banalização do continente. Realce para a reentrada do Marrocos, que doravante deverá colmatar a perda de um grande contribuinte, como foi a Líbia do líder histórico Mohamar El Khaddafi. Mas além do apoio financeiro, o Marrocos ao regressar na cena africana, deverá obviamente, se sentar a mesa das negociações com república árabe saharaui. Providencial, seria tornar o Sahara no mínimo autónoma. A união africana, finalmente começou a pressionar seus membros para a manutenção da democracia em África, ao fazer valer sua autoridade no caso da Gâmbia?! E neste diapasão os países membros, vão dando sinal de amadurecimento democrático, tal o caso de Angola, onde seu PR, após vinte e oito anos no poder, anunciou abandonar a política, um outro membro do seu partido será o cabeça de lista das próximas eleições a se realizar já em Setembro de 2017. Também o Congo democrático do PR Kabilla, chegaram ao esperado entendimento da manutenção do cargo de presidente e tudo indica que em Setembro de 2017, haverá eleições na RDC para sufragar um novo PR. A saída em bloco dos países africanos do TPI, apesar de controversa, ela assentou-se nos critérios de justiça operadas no tribunal de Haia, porque para união africana, eles só julgam africanos?! Que diga o ex PR da América, George W. Bush e sua obstinação contra o Iraque, e mais não digo.

Crónica de; Jonas Nazareth