27*Amor ao próximo, alguém viu por aí os nossos governantes?

27* Amor ao próximo, alguém viu por aí os nossos governantes?

Nossos gloriosos atletas tudo fazem para dignificar o bom nome de Angola, depois de uma travessia no deserto, os nossos basquetebolistas acabaram por chamar para o si o protagonismo continental, de igual as nossas valiosas andebolistas, também chamaram para si o protagonismo continental, apenas o futebol se ficou pelo desejo?! E pelo desejo, lá se conseguiu uma participação num campeonato do mundo. Os nossos comentaristas, no seu dever patriótico, têm rebatido inúmeros exemplos, das reais causas da nossa leviandade em confrontos internacionais, e dos remendos desnecessários nas nossas competições internas. Recentemente a selecção de basquetebol masculino perdeu o campeonato africano para a Nigéria, de igual, a selecção de basquetebol feminino, perdeu o título e a oportunidade para monopolizar o campeonato africano. E criticas mil, de toda sociedade contra as nossas selecções em representação de Angola. Mas ignorou-se as verdadeiras causas, não são que dinheiro, a ausência deste para estimular os participantes. Castelos de areia sabemos todos fazer, mas investir de verdade para se poder sustentar os desportos pela base, nada!? Devemos apostar nas escolinhas, para se criar um homem novo dotado de recursos básicos e técnicos adquiridos cientificamente. Porque feitiço, sabemos de antemão que não resulta em competições a doer!? Sendo assim, os nossos governantes definitivamente devem co-participar com seus recursos financeiros pessoais, ao invés de gabarolices nos meios de comunicação social, porque dos céus, nada cairá!!? É imperioso que seja exarado um decreto, na qual deve ficar plasmado a obrigatoriedade de se descontar em 5% do salário de cada ministro ou Secretário de Estado, e 2,5% por deputado e directores ministeriais, para fins filantrópicos. Dinheiro a ser investido na criação do homem novo, proporcionando aos meninos oportunidades de ouro, de se formarem academicamente ao mesmo tempo de procurar triunfar no desporto, através de um projecto devidamente estruturado e com funcionários pagos pelos dinheiros acima já referidos. Caso queiramos no futuro ganhar títulos, ver desfilar nas grandes arenas mundiais filhos de Angola formados graças aos apoios dos nossos governantes. E alguns casos bem sucedidos poderiam proceder a retornos de que antes beneficiara. Caso contrario, seria esperar por ovos…

Autor da crónica; Jonas Nazareth