21* Portugal a teste de fogo.

Image

21* Portugal a teste de fogo.

Sem querer colocar a seara em terras alheias, por uma questão de analise política, uma vez que Portugal já colonizou Angola e outros países de África por via da força, a liça, nasce-me a petulância de conjeturar a respeito do atual cenário político de Portugal, sobretudo depois de absorvermos equivocados alguns amargos exemplos retirados das ultimas peripécias da Grécia governada pelo partido SYRIZA. Se nos desperta a curiosidade, sobre quem o presidente deverá empossar como primeiro-ministro para formar governo?  A coligação (Portugal para frente) que ganhou as eleições, mas que não teve maioria parlamentar, ou o PS segundo partido mais votado,  pelo facto da esquerda (PCU, e BE) demonstrarem intenções em apoiar o projecto do PS para formar governo!? Apesar das diferenças que separam os partidos da esquerda, ainda assim, estes mostraram-se determinados em repor a coligação de direita sentada no parlamento para fazer oposição. Assim sendo, e porque o presidente goza de prerrogativas e por ser da direita (PSD), diante deste cenário, o que fará? Nomear Passos Coelho para formar governo e ver impotente este ser copiosamente chumbado pela maioria parlamentar, ou convidar António Costa a formar governo, por este contar com o aval da esquerda em maioria no parlamento. Caso o segundo cenário venha a efetivar-se, esperamos para ver, quem sairá fragilizado desta hipotética coligação de esquerda, a julgar pelas divergências ideológicas da esquerda, é para se dizer que, muita água ainda há de correr por esta ponte. De uma coisa estamos certos, os eleitores portugueses hão-de duramente penalizar os erros que advirem desta coligação,  sobretudo porque (PCU, e BE) não morrem de amores pela união europeia.  Mas uma grande democracia como a de Portugal, saberá dar volta aos cenários incómodos para o bem do povo, e esperamos que assim seja!

Crónica de: Jonas Nazareth

20*As merdas da América e o êxodo emigratório.

20*As merdas da América e o êxodo emigratório.

Na geopolítica mundial o critério de gestão politica dos países passou a ser maioritariamente democrática. E me ocorre sublinhar Winston Churchill numas das suas mais célebres frases; – A democracia pese embora não ser perfeita, mas é a melhor se comparada com as outras opções. Até certo ponto faz sentido! Mas o cerne da questão, é comportamento da América no plano estratégico universal, que contra todas as normas internacionais de direito dos estados, manipulam e de que maneira, o cenário geopolítico mundial, uma das tantas manipulações foi a que apresentaram no conselho de segurança das nações unidas ao apresentarem uma peça selectivamente ficcionada e acrescida de efeitos especiais para com ela merecerem o aval da ONU, para invadirem territórios constituídos, tal foi o caso no Afeganistão (com o fito de abaterem Bin Laden) para mais tarde, e porque não saciados por tantas mortes e o ódio visceral pela pessoa de Saddam Hussein, também entrarem no Iraque para abaterem o carismático líder iraquiano para depois deixarem o país aos frangalhos. E nesta senda também fizeram com o líder africano Muammar El Khadaffi ao propiciarem condições fatais aos grupos armados que facilmente conseguiram capturar o histórico líder africano da Líbia e executarem-no friamente. E quanto as consequências para o povo Líbio, nada mais os dizia respeito?! Mas a primavera árabe despertou outras consciências na região do golfe. E novamente a América e as suas merdas, para a equiparem grupos opostos aos regimes, em material bélico e logístico. E foi por esta leviandade que provavelmente veio a se propiciar o surgimento do Estado Islâmico (nada haver com o verdadeiro Islão) e seu radicalismo exacerbado. E as consequências ainda estavam por vir, e diga-se em abono da verdade, que a Europa se vê invadida por um êxodo de emigrantes decididos em lá se instalarem! Mas a Síria continua a viver o calvário de uma guerra agitada pela América, e que no entanto, Bachar El Assad continua de pedra e cal no poder, até por conta com parceiros de peso (Rússia e China). E o cenário na Síria, mais se parece com um filme de terror, enquanto que as democracias à moda americana tarda por imperfeição dos critérios aplicados ‘on the ground’ (no terreno). É bem verdade que: – Deus escreve certo por linhas tortas, e o ocidente está a colher os frutos que plantou, ao ver-se literalmente invadido por populações destas zonas afectadas pelas guerras pré-elaboradas pela América e o ocidente. É para se dizer que; – Picante nos olhos alheios soa como um refresco.

Cronica de; Jonas Nazareth