Lideranças Africanas?!

Continuam reincidentes a não respeitarem os propósitos que os moveu para luta armada em conquista da independência dos respectivos países. Com a introdução da democracia em África, tornou-se ainda mais difícil para alguns lideres com características de monárquicas, manipularem a seu bel-prazer a constituição, violando-as com o fito de se perpetuarem no poder. Resultando em muitos dos casos, no retardamento do desenvolvimento económico, pelo facto de ainda alguns lideres darem primazia ao enriquecimento de suas famílias e próximos, permitindo assim que o nepotismo e compadrio devastem as áreas nefrálgicas da administração pública, fragilizando-as de tal maneira, que acaba por suscitar a corrupção e outros malefícios nada abonatório para um estado democrático e de direito. E como consequência, as classes desfavorecidas acabam por ser copiosamente prejudicadas sobretudo no que concerne as necessidades básicas, não vêem outra alternativa, senão emigrarem para países que lhes podem oferecer condições melhores de vida. Tal êxodo tem acarretado consequências catastróficas sobre o mar mediterrâneo, e quanto aos sobreviventes a humilhação sem precedentes em alguns países que os acolhem. E assim a África vai continuando a viver serias dificuldades que já deveriam ser supridas, caso houvesse nos tais líderes africanos, vontade política e sentido de patriotismo. Situação que tem denegrido inapelavelmente o nosso continente, ao constatarmos que ainda estão bem presente no nosso continente – pandemónios epidémicos, mortalidade infantil, inflação descontrolada, focos de lixo em grandes escalas, taxa de desemprego assustadora, e como consequência o aumento do índice da criminalidade, etc., etc.

pobresa-extrema